31/12/2011

Sondas

Sonda é definida como um tubo que se introduz em canal do organismo. Na definição de cateter temos: instrumento tubular que é inserido no corpo para retirar líquidos, introduzir sangue, soro, medicamentos e efetuar investigações diagnósticas.

A sonda é um instrumento para ser introduzido em um canal ou uma cavidade para fins propedêuticos (determinar a presença de estenose, corpo estranho ou uma outra situação mórbida). Pode ser fina e flexível para explorar ou dilatar um canal natural ou rígida, geralmente com uma extremidade pontiaguda, para separar tecidos de dissecação (BRUNNER & SUDDARTH,1999). 

Para Brunner & Suddarth (1999) a sondagem é um método muito utilizado e eficiente em pacientes em situações delicadas, quase sempre dentro do hospital. Ela pode ser utilizada no pré-operatório, por exemplo, para fazer esvaziamento gástrico, durante cirurgias para administração de medicamentos e esvaziamento vesical, no pós-operatório para exercer funções que o corpo ainda não está adaptado (por exemplo: uso de sonda nasogástrica para alimentação após uma cirurgia esofagiana) e no caso de perda de funções vitais (exemplo: um paraplégico que não tem reflexos vesicais que tem necessidade de estar sempre com uma sonda vesical.

A passagem de sonda gastrointestinal é a inserção de uma sonda plástica ou de borracha,flexível, podendo ser curta ou longa, pela boca ou nariz para: descomprimir o estômago e remover gás e líquidos; diagnosticar a motilidade intestinal; administrar medicamentos e alimentos; tratar uma obstrução ou um local com sangramento; obter conteúdo gástrico para análise (BRUNNER & SUDDARTH,1999).

A sonda nasogástrica ou sonda curta é introduzida através do nariz ou boca até o estômago. As mais comumente usadas são: sonda de Levin, gástrica simples, Nutriflex, a Moss e a Sengstaken-Blakemore (S-B).

As sondas gástricas geralmente são curtas e pode ser introduzida pelo nariz ou pela boca, pode alcançar o estomago. A mais utilizada é a sonda de Levine, que possui uma única luz, variando para adultos, do número de 14 a 18 Fr.

As indicações das sondas gástricas são:

  • Remover líquidos e gases do trato gastrintestinal superior;

  • Obter amostras do conteúdo de ácido do estomago (acidimetria);

  • Administrar medicamentos e alimentação (gavagem).

“Uma sonda nasogástrica é aquela inserida no nariz, alcansando o estômago. As sondas nasogástricas são menores em diâmetro do que as orogástricas,embora sejam maiores e mais curtas do que as nasoentéricas.Algumas possuem mais de um canal,ou lúmen,em seu interior” (TIMBY,2002).

“As sondas nasoentéricas são mais compridas do que suas contrapartes gástricas, o que permite colocação no entestino delgado. São basicamente utilizadas por duas razões: oferecer aluimento ou retirar gás e drenagem líquida do intestino delgado” (TIMBY, 2002).

“A sondagem vesical é a introdução de uma sonda ou cateter na bexiga, que pode ser realizada através da uretra ou por via supra-púbica, e tem por finalidade a remoção da urina. Suas principais indicações são: obtenção de urina asséptica para exame, esvaziar bexiga em pacientes com retenção urinária, em preparo cirúrgico e mesmo no pós-operatório, para monitorizar o débito urinário horário e em pacientes inconscientes, para a determinação da urina residual ou com bexiga neurogênica que não possuam um controle esfincteriano adequado” (TIMBY, 2002).

“A sondagem vesical pode ser dita de alívio, quando há a retirada da sonda após o esvaziamento vesical, ou de demora, quando há a necessidade de permanência da mesmo. Nestas sondagens de demora, a bexiga não se enche nem se contrai para o seu esvaziamento, perdendo com o tempo, um pouco de sua tonicidade e levando à incapacidade de contração do músculo detrursor; portanto antes da remoção de sonda vesical de demora, o treinamento com fechamento e abertura da sonda de maneira intermitente, deve ser realizada para a prevenção da retenção urinária”(PORTO,2001).

“Quando a urina não pode ser eliminada naturalmente, deve ser drenada artificialmente através de sondas ou cateteres que podem ser introduzidos diretamente na bexiga, ureter ou pelve renal” (BARROS, 2003).

“Quando há a necessidade de uma sonda de demora, é imperativo a utilização de um sistema fechado de drenagem, que consiste de uma sonda ou cateter de demora, um tubo de conexão e uma bolsa coletora que possa ser esvaziada através de uma valva de drenagem, tudo isto para a redução do risco de infecção” (BARROS,2003).

O material necessário para a sondagem: pacote esterilizado contendo: cuba rim, campo fenestrado, pinça, gaze, ampola de água destilada, seringa de 10 ml e cuba redonda, e ainda: sonda vesical, luvas esterilizadas, frasco com solução anticéptico (PVPI), saco plástico, recipiente para a coleta de urina e lubrificante (xilocaína esterilizada).

“ Para a realização do procedimento primeiramente devemos orientar o paciente sobre as necessidades e técnicas. Depois de lavar as mãos, deve-se reunir todo o material para o procedimento. Quanto à melhor posição, é para as mulheres a ginecológica e para os homens o decúbito dorsal com as pernas afastadas” (BARROS, 2003).

Após a abertura do pacote de cateterismo, calçar luvas estéreis.

“Nas mulheres, realizar anti-sepsia da região pubiana, grandes lábios e colocar campo fenestrado; entreabrir os pequenos lábios e fazer anti-sepsia do meato uretral, sempre no sentido uretra-ânus, levando em consideração de que a mão em contato com esta região é contaminada e não deve voltar para o campo ou sonda” (TIMBY, 2002).

“Nos homens, após a anti-sepsia da região púbica, realiza-se o mesmo no pênis, inclusive a glande com movimentos circulares, e para a passagem do cateter, traciona- se o mesmo para cima, introduzindo-se a sonda lentamente” (TIMBY, 2002).

“A mais importante utilização da sonda retal é para a lavagem intestinal, que possui como por finalidade: eliminar ou evitar a distensão abdominal e flatulência, facilitar a eliminação de fezes, removerem sangue nos casos de melena e preparar o paciente para cirurgia, exames e tratamento do trato intestinal. Antes da retirada a enfermeira deve fechar e abrir a sonda, intermitentemente, para se certificar que o paciente não terá náuseas, vômitos ou distensão. Devem ser usadas luvas e a sonda deve ser lavada internamente com 10ml de soro fisiológico. Se houver balão, este deve ser desinflado. A sonda deve ser retirada vagarosamente (15 a 20cm em 10 minutos). A parte final deve ser retirada rapidamente pela narina. A parte retirada deve ser escondida em uma toalha” (DOENGES,1999).

 

Referências

BARROS, A. L. B.L. Anamnese e exame fisico: avaliação diagnóstica de enfermagem no adulto. São Paulo: ArtMed, 2003.

BRUNNER & SUDDARTH. Enfermagem Médico-Cirúrgica (4 volumes) – Guanabara Koogan, 1999

DOENGES, M. E.;. Diagnósticos e intervenção em enfermagem. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PORTO, C. C. Semiologia médica. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2001.

TIMBY, B. Conceitos e habilidades fundamentais no atendimento de enfermagem. 6ed. Porto Alegre: ArtMed, 2002.

TAGS: sondas

Comentários (5)

Brena Reis
Brena Reis Criado em 14/12/2013, 16:01h

Muito boa esta página!!!!! Tudo explicado com muita clareza.


vera lucia lucena lima fernandes
vera lucia lucena lima fernandes Criado em 07/01/2014, 11:53h

Sou acadêmica de enfermagem e gosto de pesquisar questões de
semiologia e semiotecnica para aprimorar a minha aprendizagem.


vera lucia lucena lima fernandes
vera lucia lucena lima fernandes Criado em 07/01/2014, 11:58h

Estou vendo a administração de medicamentos e gostaria de ver alguns exercícios com a resolução dos cálculos e não só a resposta, pois estou tendo uma certa dificuldade.


nivia camilo
nivia camilo Criado em 10/02/2014, 10:28h

Estou cursando técnico em enfermagem, vou começar estudar semiologia gostaria de ver exercícios para que possa responder.


Leticia FernandesLet
Leticia FernandesLet Criado em 03/04/2014, 20:34h

Eu amei esse post sobre sondagens. Tudo super explicado, bem fácil de ser compreendido.


Acompanhe o Enfermagem e Saúde