31/12/2011

Icterícia Neonatal

CONCEITO: Coloração amarelada da pele, mucosa e escleróticas devido a uma elevação das concentrações séricas de bilirrubina.

AVALIAÇÃO DE KRAMER - Zonas de Kramer

Zona 1 - Icterícia de cabeça e pescoço

Zona 2 - Icterícia até o umbigo

Zona 3 - Icterícia até os joelhos

Zona 4 – Icterícia até punhos e tornozelos

Zona 5 - Icterícia plantar e palmar

ICTERÍCIA FISIOLÓGICA

Resultado de uma maior produção de bilirrubina pela degradação de hemácias fetais combinada com uma limitação transitória da conjugação da bilirrubina pelo fígado.

Torna-se visível no 2º - 3º dia

Pico entre o 2º e 4º dias em 5-6mg/dl

Fatores envolvidos na icterícia fisiológica

·         Maior oferta de bilirrubina

·         Captação deficiente de bilirrubina

·         Redução na atividade da glicuronil-transferase

·         Maior absorção intestinal por aumento da circulação êntero-hepática

ICTERÍCIA PATOLÓGICA

Aparece nas primeiras 24horas de vida

Concentração de bilirrubina sérica total superior a 12mg/dl no RNT ou 15mg/dl no RNPT.

Icterícia persistente mais de uma semana em RNT ou duas semanas no prematuro.

ICTERÍCIA E ALEITAMENTO MATERNO

Icterícia associada à amamentação.

Precoce

·         Diminuição da frequência das mamadas

·         Perda de peso

Icterícia do leite materno

Tardia

·         Fisiopatologia não esclarecida

·         Entre 4º e 7º dia de vida,pico na 3ª semana.

Incompatibilidade materno-fetal

Icterícia por doença hemolítica devido à incompatibilidade Rh.

Mãe Rh negativo e RN Rh positivo.

Icterícia nas primeiras 6 horas.

Kernicterus mais freqüente

Anemia mais grave

Icterícia por doença hemolítica devido a incompatibilidade ABO

Mãe de grupo sangüíneo O e o RN tipo A ou B.

Icterícia tardia

Sem sensibilização prévia

Anemia leve a moderada

ABORDAGEM DO RN ICTÉRICO

História familiar/comportamento de outros irmãos

História materna

Exame físico

Exames laboratoriais

Kernicterus

Síndrome neurológica resultante do depósito de bilirrubina não-conjugada nas células cerebrais

Quanto menos maduro for o neonato, maior sua suscetibilidade.

Quadro clínico

·         Letargia

·         recusa alimentar

·         perda do reflexo Moro

·         prostração

·         diminuição dos reflexos tendinosos

·         dificuldade respiratória

·         opistótono

·         fontanela abaulada

·         choro agudo estridente

·         convulsões

·         espasmos

TRATAMENTO

Fototerapia

Age pela utilização da energia luminosa na transformação da bilirrubina em produtos hidrossolúveis que podem ser eliminados sem risco.

Efeitos colaterais da fototerapia

·         Irritabilidade

·         Aumento da perda hídrica pela pele

·         Hipertermia

·         Aumento do número das evacuações

Cuidados de Enfermagem

Relacionados com a aparelhagem

·         Aparelho deve ser supervisionado quanto a segurança mecânica, elétrica e térmica;

·         Manter a lâmpada a 20-30 cm da superfície a ser irradiada.

·         Anotar o tempo de uso da lâmpada

Relacionados à criança:

·         Retirar toda a roupa da criança.

·         Proteger os olhos do recém-nascido com máscara de cor negra, faixa crepe ou gaze.

·         Mudar decúbito a cada duas horas.

·         Observar hidratação da criança.

·         Verificar a temperatura a cada 4 a 6 horas.

·         Colher amostras de sangue conforme prescrição

·         Observar as características das fezes e da urina

·         Interromper a fototerapia durante procedimento como banho, AM.

·         Não usar óleo na higiene da criança.

·         Estimular aleitamento materno.

·         Aplicar a fototerapia conforme os períodos e intervalos indicados.

·         Observar o estado geral da criança.

·         Orientar os pais sobre a indicação da fototerapia e procedimentos efetuados.

Exsangüineotransfusão (ET)

Método utilizado quando o risco de Kernicterus é significante, considerando-se um determinado RN.

A quantidade de sangue a ser trocado é de duas volemias

Sangue deverá ser o mais fresco possível.

Duração de uma ET deve ser de 1 a 2 horas.

Controle rigoroso da temperatura.

Complicações: bradicardia, cianose, trombose, apneia e morte.

TAGS: icterícia

Comentários (0)

Acompanhe o Enfermagem e Saúde